terça-feira, 19 de setembro de 2017

O CRIADOR DO VINHO E A PRIMEIRA HARMONIZAÇÃO

        Tudo começou com o fato de Deus ter-se arrependido de ter criado o homem por causa da corrupção generalizada e da maldade ter tomado conta da terra (qualquer semelhança com os dias de hoje...). E o Senhor estava tão furioso que resolveu destruir não só a humanidade como a toda a vida que havia na terra. As plantas e os animais -dos répteis que rastejam no chão às aves que voam no céu. E ficou satisfeito com a lambança: "Destruímos toda a carne em que há espírito de vida sob os céus".
        
        Mas Deus ao mesmo tempo em que decidiu castigar a humanidade, arquitetou com a ajuda de Noé e sua família um novo plano para recriar a terra e dar uma nova chance à humanidade.
     A história da arca de Noé todos conhecem. Com sua pequena família constituída de seus três filhos e respectivas mulheres, Noé abrigou na arca um casal de cada bicho vivo. Deve ter estocado uma muda de cada planta também. Depois do Dilúvio, a arca de Noé estacionada no monte Ararat, Deus já arrependido de ter amaldiçoado a terra por causa dos homens, de ter ferido todo o ser vivente, disse a Noé: "Multiplicai-vos e enchei a terra!".
   Deus sempre tem planos para a raça humana. Prova disso são as diversas alianças que ele celebrou com o homem que burlou todas como que a dizer: "Não adianta, Senhor, sou um caso perdido, sem salvação". E Deus celebrou com Noé uma nova aliança que contemplava os bichos e as plantas, ele prometeu a Noé que não mais destruiria os seres vivos por causa do homem. O arco-íris ficou sendo o símbolo desta nova aliança de Deus com os homens, os bichos e as plantas.
     E como que numa manifestação de alegria para comemorar a nova era, livre de corrupção, Noé iniciou sua vida de agricultor plantando uma vinha. Marinheiro de primeira viagem, Noé, depois de ter criado o vinho, exagerou na comemoração (bebemoração) e bebeu até se embriagar. Falou sozinho e sob sua tenda tirou a roupa ficando nu em pelo. Seu filho de nome Cam viu a cena e correu para avisar os irmãos Sem e Jafé. Estes levaram um manto para Noé e tiveram o cuidado de virar o rosto para não ver a nudez do pai. 
      Quando passou o porre, Noé ficou uma fera com o que fizera Cam e o amaldiçoou ao mesmo tempo em que abençoou seus irmãos.
      No final das contas resta a interpretação de que o vinho, a despeito do pequeno escândalo da embriaguez de Noé, restou como um fato positivo para a humanidade. Símbolo de alegria e da reconciliação de Deus com a humanidade. Como diria Benjamin Franklin muito tempo depois: "O vinho é a prova definitiva de que Deus nos ama e quer nos ver felizes".
      A terra depois de maculada pelo pecado renasce contemplada por uma bebida que "alegra o coração" como o testifica o Salmo 104. 15 (...) "Senhor Deus meu, tu és magnificentíssimo. (...) Tu que fazes sair as fontes nos vales (...) para fazer sair da terra o pão (...), o vinho que alegra o coração do homem, e o azeite que faz reluzir o seu rosto".
     Este Salmo apresenta-nos a harmonização primeva: Vinho, pão e azeite de oliva.
     Deus seja louvado!


Nenhum comentário:

Postar um comentário