sexta-feira, 12 de julho de 2013

UMA TAÇA DE VINHO POR DIA?

          "Uma taça de vinho por dia" é pura conversa mole de médico para boi dormir (e lagartixa cair da parede). Vinho sempre foi uma bebida para ser bebida em grande quantidade. O que se bebe em "taças pequenas" é licor (uma porcaria açucarada), vodka, conhaque, whisky, cachaça (outra porcaria açucarada) etc.
            Vinho desde que existe, ou desde que afirmou sua identidade sempre foi bebido em grandes canecos (meu caneco comporta uns 600 ml de vinho. De uma garrafa de 750ml restam "dois dedos" de vinho no fundo da garrafa que eu, é claro, não vou deixar para o outro dia). Vinho sempre foi acondicionado em grandes recipientes: o bíblico "odre" de vinho comportava até vários litros de vinho (não existia InMetro para padronizar). O garrafão de vinho brasileiro comporta 4,6 litros, o português 5 litros. Não se fabrica mais garrafões de 30 litros para guardar vinho. Barricas, tonéis, dornas, barris de carvalho partem de um piso de 2,5 litros até milhares de litros.
             A Bíblia registra um evento muito interessante no qual Jesus transformou água em vinho. Aconteceu durante uma festa de bodas de casamento em Caná da Galileia. Naquele tempo (e até os dias de hoje) havia um tipo de sacanagem que consistia em no começo da festa se servir o vinho de melhor qualidade. Depois que os convivas estavam bêbados era oferecido o "vinho da casa", de qualidade inferior. No meio da festa que durava vários dias o vinho acabou. Maria (mãe de Jesus) se dirigiu a seu filho e disse: "Eles não têm vinho". Jesus, bolado, respondeu: "E o Kiko?". Mas diante da pressão materna (só os judeus sabem o que é uma "mãe judia") Jesus concordou em transformar água em vinho. O filho do homem mandou que fossem preenchidas com água as talhas de pedra que haviam na casa. Cada "jarra" daquelas comportava mais de cem litros d'água (três metretas cada). De modo que Jesus transformou mais de 600 litros de água em vinho. Tão logo isso foi feito um "mestre sala" (provador de vinho) requisitado por Jesus provou o vinho e deve ter constatado que Jesus produziu bom vinho de ótimas vindimas e envelhecido em barris de carvalho (que naquele tempo não existiam, mas que para Jesus o tempo nunca foi um obstáculo). Para desqualificar a bobagem de que Jesus teria feito "suco de uva" em vez de vinho, não havia na época a profissão de "provador de suco de uva". O casamento de Caná simbolicamente "bebemora" a "Nova aliança" (Novo Testamento) com o vinho fino produzido por Jesus em grande quantidade especialmente para o fim da festa.

Fonte: www.geocities.ws/emverdade... Editado por mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário